Descarte do lixo tóxico: tudo que você precisa saber!

Ao ouvirmos a expressão “lixo tóxico”,  imediatamente pensamos em indústrias que produzem grandes quantidades de resíduos, usinas nucleares e outras realidades muitas vezes distantes. Entretanto, estes resíduos estão presentes dentro de nossas casas. Saiba quais são e como fazer adequadamente o descarte do lixo tóxico.

Quatro lixeiras nas cores amarelo, azul, vermelho e verde. A reciclagem é essencial para o descarte correto do lixo tóxico.
Foto: Pawel Czerwinski.

O que é o lixo tóxico?

O lixo tóxico é composto por materiais descartados que possuem componentes químicos nocivos. Portanto, podem poluir o meio ambiente e contaminar as águas.

Um dos papeis da coleta seletiva é ajudar no processo de reciclagem de nosso lixo. Mas sua importância não se limita a isso: os coletores também destinam qualquer resíduo perigoso para o descarte correto.

Muitas vezes não temos a menor ideia de que estamos lidando com lixo tóxico. Por exemplo: você sabia que óleo de cozinha, lâmpadas e remédios se encaixam nessa categoria?

Quando colocamos estes itens no mesmo saco de lixo junto a outros resíduos comuns (como papéis, plásticos, embalagens ou lixo orgânico), estamos os descartando de forma inadequada. Como resultado, estamos arriscando prejudicar a natureza de alguma forma.

Ainda que o impacto individual seja pequeno, uma grande quantidade de pessoas fazendo o mesmo pode gerar danos consideráveis.

Portanto, vejamos quais são os lixos tóxicos mais comuns e como evitar que contaminem o meio ambiente.

Como realizar o descarte do lixo tóxico do nosso dia-a-dia?

Dar um destino adequado ao lixo tóxico presente em nossas casas é mais simples do que você imagina, mas devemos ficar atentos à destinação correta de cada um.

Primeiramente, é importante saber que as empresas que comercializam produtos classificados como tóxicos são obrigadas por lei a recolhê-los e os descartar da forma correta. Isso se aplica à maior parte dos produtos sobre os quais falaremos aqui.

Óleo de cozinha

Quando descartamos o óleo de cozinha na pia, o produto pode cair em rios e córregos, além de impedir a entrada de oxigênio na água, assim ocasionando a morte de seres vivos como plantas e peixes.

Assim sendo, devemos descartá-lo corretamente. Para isso, coloque o óleo usado em uma garrafa e levá-la a um dos postos de coleta autorizados. Atualmente, é comum estabelecimentos comerciais ofereçam esse tipo de serviço. Aliás, é muito provável que o supermercado mais próximo receba seu óleo para descarte.

Caso não conheça nenhum posto de coleta, certamente algum outro morador de seu bairro conhece. Experimente perguntar para o vizinho ou os amigos que moram nas proximidades.

Eletrodomésticos e eletrônicos

Esses produtos possuem materiais de difícil decomposição no meio ambiente (como plásticos, vidros e borrachas). Além disso, seus componentes muitas vezes são feitos de metais pesados como níquel, cádmio e chumbo, que são tóxicos.

Mas não para por aí: os eletrodomésticos como geladeiras e frigobares também costumam ter, em seu interior, o infame gás CFC (utilizado para refrigeração). O CFC é tóxico e muito prejudicial para nossa camada de ozônio.

Uma geladeira antiga em um ambiente urbano. No topo da geladeira está escrito "ICE" (gelo, em inglês).
Foto: Pedro Sandrini.

Por isso, quando já estiver na hora de trocar seu microondas ou sua geladeira, ligue para o fabricante e pergunte como retornar o velho guerreiro a ele.

Remédios

Os remédios podem contaminar o solo e a água com elementos químicos. Portanto, para descartá-los, não os jogue no lixo comum: leve os medicamentos a alguma farmácia ou centro de saúde. Eles se encarregarão de fazer o descarte.

Lâmpadas

As lâmpadas possuem mercúrio, um metal tóxico que pode contaminar o meio ambiente. Segundo o blog do site Pensamento Verde, a melhor forma de descartá-las é colocando-as em caixas fechadas e procurando o posto de coleta mais próximo de você.

Pilhas

As pilhas também são compostas por metais e outras substâncias tóxicas. Quando descartamos as pilhas no lixo comum, é provável que o solo e o lençol freático sejam contaminados quando os produtos chegarem ao aterro sanitário.

Um conjunto de pilhas empilhadas.
Foto: Hillary Halliwell.

O site eCycle recomenda separar as pilhas em um plástico resistente e, assim como no caso das lâmpadas, consultar qual é o posto de recolhimento de pilhas e baterias mais próximo da sua casa.

As pilhas recarregáveis são uma boa opção para reduzir o número de pilhas descartadas. Confira nosso post sobre as vantagens desse produto.

Enfim, agora não tem desculpa! Devemos sempre ficar atentas à melhor forma de se fazer o descarte do lixo tóxico, assim evitamos que a natureza saia prejudicada nessa história. Gostou do texto? Compartilhe as dicas com as amigas!

comente aqui o que achou =)